Simpósio de 2008

Simpósio de 2008

segunda-feira, 19 de maio de 2008

O que é Parada Cardíaca


Parada cardiorrespiratória

A parada cardiorrespiratória (ou paragem cardio-respiratória em Portugal) ou PCR é a interrupção da circulação sangüínea que ocorre em conseqüência da interrupção súbita e inesperada dos batimentos cardíacos ou da presença de batimentos cardíacos ineficazes. Após uma PCR o indivíduo perde a consciência em cerca de 10 a 15 segundos devido à parada de circulação sangüínea cerebral.

Caso não haja retorno à circulação espontânea e o paciente não seja submetido a ressuscitação cardiopulmonar, a lesão cerebral começa a ocorrer em cerca de 3 minutos e após 10 minutos de ausência de circulação as chances de ressuscitação são próximas a zero.

Ritmos de Parada Cardiorrespiratória
A parada cardiorrespiratória pode ocorrer na presença de três ritmos cardíacos diferentes:
Fibrilação Ventricular ou Taquicardia Ventricular sem Pulso: Ritmo de PCR mais freqüente em PCR fora do hospital, responsável por cerca de 80% dos episódios. Caracteríza-se por um ritmo cardíaco rápido e irregular e ineficaz.

Assistolia: Ausência de ritmo cardíaco, nesse ritmo há interrupção da atividade elétrica do músculo cardíaco.
Atividade Elétrica sem Pulso: Nesse ritmo existe a presença de atividade elétrica no músculo cardíaco porém os batimentos não são eficazes e não há circulação sangüínea.
As causas da PCR são variadas, normalmente resultando de: choque circulatório, choque séptico, trauma, doença cardiovascular entre diversas outras causas.

Desde a antigüidade diversos médicos perceberam a importância em elaborar um tratamento para PCR, muitas técnicas foram criadas (p. ex. colocava-se a pessoa em PCR em cima de um cavalo e o deixava trotar; colocava-se um barril em cima do peito da pessoa em PCR ...), todas elas tinham como base fundamental a compressão torácica. Desde a década passada, entretanto, a AHA (American Heart Association) reuniu os maiores pesquisadores do mundo para a formação de um protocolo de atendimento univesal, daí foi criada a Reanimação Cardiorrespiratória (RCP) e dois livros o BLS (Basic Life Suport) e o ACLS (Advanced Cardiology Life Suport). Esses protocolos universalizaram o atendimento de emergência ao paciente cardivascular grave.

DEA, Desfibrilador Automático Externo. Equipamento capaz de efetuar a leitura da ocorrência de Fibrilação Ventricular (FV), efetuando desfibrilação automática com choque monofásico de 360 Joules ou Bifásico de 200 Joules.

5 comentários:

Josete disse...

Oi Henrique!
Seu post tem tudo a ver com o trabalho que você está desenvolvendo na aula de Educação Física. No entanto, na nossa próxima aula, quero te ajudar a melhorar o link da imagem, esta não ficou boa. Se você conseguir melhorar em casa, por favor envie para mim. Abraço,
Josete

Josete disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Paloma disse...

Oi kikutes, blz?
o seu blog ficou um uma belesura! fala séio em! eita menino que sabe tudo em! hum to pagandu pra ver em.
beijocas enormes!

Josete disse...

Oi Henrique!
Continue publicando seus trabalhos de Educação Física aqui no Blog! Você precisa divulgá-lo para os demais professores da escola, principalmente a professora Juliana de Educação Física...
Abraço,
Josete

mylena disse...

quais s sintomas? da parada cardíaca